quarta-feira, 20 de novembro de 2013

CONSCIÊNCIA NEGRA?

Por: Igor Rosário
A consciência é negra ou branca? Ela tem cor? Esse termo consciência não deveria ser utilizado apenas numa sociedade que proporcionasse um sentimento de respeito mutuo entre os seres humanos? Conscientizar, essa palavra só deveria ser usada e/ou pronunciada num contexto em que as pessoas não conhecessem que os negros já estão inseridos na sociedade, num ambiente preconceituoso, discriminatório, onde a carda histórica desse povo ainda pesa.  Mas estamos no século XXI, e a abolição dos escravos já fazem anos, entretanto ainda é necessário conscientizar? A conscientização não deveria ser para aqueles que ainda conservam o preconceito e o racismo? Então, por quê a consciência é negra?
Esse termo utilizado não soa um pouco contraditório? Conscientizar o quê, se as pessoas já estão cansadas de saber que os negros têm os mesmos direitos que qualquer ser humano? Como a cor de uma pele pode reger quem é digno de viver livremente e quem não é?
Relembrar anualmente numa data específica o direito de liberdade conquistado, não ajuda teoricamente a permanecer os esteriótipos construídos acerca do povo negro? Num país em que maioria da população são negros e a elite do mesmo são brancos não demonstra quem é quem e o lugar de cada um? Onde geralmente quem possui os cargos de alguma relevancia ou status social são brancos.
Nas escolas continuam mostrando imagens de negros ainda acorrentados, humilhados, relatando que isso ocorreu há muito atrás. Mas não discute sobre os tipos de preconceitos ainda existentes que camufladamente castiga e inferioriza o nosso povo.
Uma escravidão moderna ainda assola o negro brasileiro. O capitalismo desordenado gera privações, aculturando-se cada vez mais sem atentar-se para isso. Nos filmes sendo o vilão, o desonesto. A polícia fazendo repressão com base em pré-julgamentos, se não é negro passa, se for é revistado.
Enfim, como ter orgulho de ser livre se ainda somos escravos de um sistema capitalista? Ideologias racistas ainda perduram, políticas assistencialistas são criadas, bolsas disso, bolsas daquilo são distribuídas. Quando realmente viveremos livres? Quando a sociedade não vai mais questionar a dignidade do povo negro? A luta pela liberdade continua o que mudou foi o tipo de escravidão. O processo de conscientização é todos os dias, não são os negros que precisam se conscientizar, mas sim os outros.  



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário nas postagens.